Bordado N'Água

Lavando a alma da nação? Tomara que não falte água.

July 1, 2019

No Brasil, por todos os lados, embora um deles já tenha enchido o saco com uma estória de perseguição, figuras que galgaram posições de notória importância empresarial e política estão vindo abaixo como detestáveis ladrões, violentadores de sonhos, liberdades e reputações.

Acho que se trata de incompetência existencial.

Qualquer um pode pensar o que quiser, ou o que puder, mas quando, como fazem os grandes incompetentes, tem absoluta convicção do que pensam e de seus interesses pessoais,  cavalgam sobre a fraqueza de caráter e deslizam para a falência moral, cujas concernentes ações só por sorte não produziriam sua ruína.

O grande incompetente existencial é arrogante e burro, radical e irracional. Muitíssimo mal formado, não pode reconhecer sua incompetência, e imagina-se um dos sábios da nação a seu serviço.

Como disse Montaigne: “A obstinação e a convicção exageradas são a prova mais cabal da estupidez. Haverá algo mais enfático, resoluto, desdenhoso, contemplativo, grave e sério do que um burro?” Com o perdão dos asnos que nunca foram empresários e políticos injustos e ladrões.

Mas, não neguemos, neste mundo tal incompetência é o mais operacional dos atributos. É a partir dela que se age mais pronta e funcionalmente. E o mundo é o que é.

Mas atenção aos prováveis abismos que nos rondam! Mudança climática, guerra nuclear, pandemias, desigualdades extremas, choque interplanetário, extraterrestres hostis, perigos da biotecnologia, da  inteligência artificial... Mas, remar e remar...rumo à ruína?

Não nos esqueçamos de que a necessária limpeza da sujeira é apenas a limpeza da sujeira.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Copyright © 2019 Carlos Homero Giacomini, All rights reserved.